segunda-feira, 18 de junho de 2007

Á beira mar...

Sentada á beira mar... Este cheiro inunda-me de recordações! Esta brisa... Fecho os olhos e deixo apenas que o meu corpo a sinta. O som das ondas a baterem nas rochas, por vezes calmas, outras vezes nem tanto, fazem-me lembrar como eu sou...
Inspiro e perco-me nos meus pensamentos mais profundos, o que fui, o que sou, o que serei. Quem sou eu neste mundo de ilusões? Qual o meu caminho? A minha missão? Todos devemos ter uma missão na vida, não?! E saber encontrá-la e desempenhá-la da melhor forma? De forma a que todos que me rodeiam se sintam bem, felizes? Será possível fazer da nossa vida um sonho?
Abro os olhos... Vejo pessoas a passear, a contemplar o mar. Será que muitos deles estarão perdidos em pensamentos tal como eu? Será que encontram a tranquilidade que eu encontro quando aqui me sento?
De novo algo me faz fechar os olhos... Talvez por ver a felicidade de jovens que por ali passam... Talvez também eu queira sentir-me assim, ou melhor, eu sinto, mas talvez queira alguém comigo, alguém com quem partilhar estes meus momentos. Bastava sentir a sua respiração, nada mais. Aprender a apreciar o mais simples da vida. Basta estar de olhos fechados e sentir a força da sua presença, e quando voltasse a abrir os olhos, bastava um sorriso, um olhar... Mas por não ter essa presença, partilho os meus pensamentos e os meus momentos com o meu "eu". Quem melhor para nos compreender e ouvir?!
Começa a escurecer... Volto a olhar. Desta vez perco-me no horizonte, a observar o pôr do sol... A brisa tornou-se mais fria. Faz falta um abraço... Faz falta apenas aquilo que faz falta para mim. Para ti, ou para ti talvez não faça... Por isso é que somos todos tão diferentes. POr isso me perco, aqui, comigo mesma.
Fui aquilo que fui, aquilo que me orgulho de ter sido. Sou aquilo que sou e que quero ser, agora, neste momento. E serei aquilo que tiver de ser... O futuro não importa... Perdemos demasiado tempo do nosso presente a pensar no depois. Não vale a pena, porque nada é garantido e tudo pode mudar de um segundo para o outro, e aquilo que julgamos ser, não o será...
Os meus pensamentos flutuam, como se nunca ninguém os pudesse entender. Sinto-me bem, apetece-me sorrir! Vou abandoná-los. Voltarei a encontrá-los algures por aí, junto a um mar perdido ou esquecido pelo tempo... Mas hoje já não quero saber deles... Despeço-me, sabendo que voltarei tão cedo como se nunca os tivesse deixado, pois são eles que me fazem falta...

Beijo*

1 comentário:

Soso** disse...

p ke seres tao dramatica loira!ve la mas +e e da mais importÂncia as coisas e aos momentos bons d vida k esses são os k te farão smp sorrir acontença o k acontecer..
LOVE U!!