quinta-feira, 13 de setembro de 2007

Arriscar

Bateram á minha porta... Não quis abrir, como medo que fosse alguém que eu não desejasse ver... Bateram de novo... Insistiram, mas por muito que continuassem eu não ia abrir, continuava com medo! De quê?! Nem eu sei bem... Por vezes abro logo a porta, mas depois desiludo-me. Acho que foi por isso que não fui abrir. Deixei-me ficar quieta, a ouvir o som vindo de fora. Deixei-me estar com medo, sem nada fazer para tentar evitar senti-lo e assim ir abrir a porta. Eu até queria, mas algo dentro de mim não me deixava. Estava receosa, e quanto mais insistiam, mais receosa ficava. Quando já me estava a habituar àquela insistência, desistiram... Senti um alivio tão grande, mas ao mesmo tempo queria que voltassem para eu ir abrir a porta e assim ficar a saber quem é que estava do outro lado! Mesmo não ouvindo mais nada, apressei-me a ver se ainda se encontrava lá alguém... Mas não... Apenas estava um papel no chão... Peguei e li... "Eu sou a felicidade, tentei mas tu não quiseste. Não voltarei a insistir..." Era o que se podia ler no papel!
Ás vezes não damos oportunidades a pessoas, por medo ou por apenas por não querer, e podemos estar a perder alguém muito importante para nós, alguém que realmente nos pode fazer feliz. Por isso, deiam sempre uma oportunidade, por mais pequena que seja, deiam-na! Arriscar... É preciso! ;)

Baci**

1 comentário:

PixaComXis Produxões disse...

a ultima vez que me baeram à porta também prometiam felicidade... Mas eram as testemunhas de Jeová! E era sempre ao domingo de manhã.... Abria porta nú nunca mais apareceram!!!

:-)

Bjs